segunda-feira, agosto 21, 2006

22 de Agosto-De olhos bem abertos e de ouvidos em pé

Já contei aqui que agora faço ginástica com personal quase todos os dias. Ótimo para mim, estou ficando com o corpo tonificado, alegre e forte. Pois bem, outro dia eu estava numa dessas aulas particulares de ginástica, onde toca initerruptamente , no rádio, um canal de FM qualquer, quando escuto estarrecida um ruído que, mesmo distraída que estava com pesos e contagens de séries, não deixar passar de jeito nenhum. Era o Waldemar Costa Neto, ex-presidente do PL. -aquele que renunciou para não ser cassado ao ser pego com a boca na botija no escândalo do mensalão, depois de mentir em cadeia nacional que não só ele, como o resto dos integrantes de seu partido nada tinham a ver com o escândalo que se avolumava, como também que tratava-se de uma pouca vergonha. Ah pouca vergonha era sim. E dias depois a pouca vergonha se tornou muita vergonha: a mulher desse sem-vergonha o denunciou e disse que ele recebia malas e malas de dinheiro para seu partido e ele mesmo, se conchavarem com o PT..
Pois então, aquele pilantra que renunciou para não ser cassado, está novamente em campanha, pedindo votos com voz embargada, dizendo que errou mas agora quer acertar e agradece a todos aqueles que nos momentos difíceis estiveram ao lado dele. Aí eu me pergunto: que momentos difíceis? O sujeito renuncia e fica impune. Fica inclusive com todo o dinheiro de sua corrupção, por que não é preciso devolver. E poucos meses depois, tem a cara-de- pau, mas principalmente o lamentável DIREITO, garantido por LEI, de se candidatar novamente a qualquer cargo público que seja. Nem sei ao que esse nojento estava se candidatando. Não me interessa. O que me interessa é o nível de impunidade, de imoralidade escancarada e sem fim, que se tornou há muitas décadas, a política brasileira. E assim, os Waldemares, os Lulas, os Sarneys, e muitos mais, vão mantendo a tradição desse país triste, pobre e aflito chamado Brasil. Uma tradição de insegurança, de incertezas, de safadezas. E o que podemos fazer? Dizer não a tudo isso em todos os momentos de nossas vidas. Não ao recebermos o troco errado que falta uma moedinha que ?não vale nada?, não aos nosso olhos fechados para as crianças de rua que não são ?menores? que nós, não a nossa incapacidade e sensação de impotência. Podemos fazer muito.É só pensar no que fazer e fazer. Se cada um de nós arregaçar as mangas no dia-a-dia que vivemos para fazer o mínimo que seja em prol da dignidade humana no nosso país, em prol de nossa própria dignidade, alguma coisa vai mudar para melhor. No mínimo movimento de cada um, existe um teor de conjunto, que somado dá uma força grande, revolucionária. A bloggagem coletiva tem pelo menos o poder de mostrar a nós mesmos, que o mundo é um grande coletivo. Vamos em frente com cada brasileiro desesperado e cheio de medo que encontrarmos ao nosso lado. E fazer um grande cordão pela paz, pela prosperidade geral, pela nossa consciência.
Beijos,
Jasmine

Comentários:
Pela consciência sobretudo, né? É o que tanto falta. Beijos

 
Contra o individualismo e a indiferença, sempre!
Beijo querida.

 
E nesse momento que antecede a eleição devemos ter em mente esses safados e corruptos...
Realidade braba a nossa..
Feliz dia
beijossssssss

 
Devemos ajudar aqueles que carecem de entendimento esclarecendo as verdadeiras intenções desses políticos, que abraçam e beijam seus eleitorados e depois lhes viram a cara. Aqui em casa já começaram as eleições!! Beijus

 
Oi Jasmine!
Vim através do blog da Laura, que tá um sucesso, né!
Aqui em RO acontece a mesmíssima coisa, e eu ainda tenho que ficar ouvindo a musiquinha do Homem de Nazaré, com o jingle do candidato mais cara de pau do estado. Sinceramente, dá vontade de chorar de tristeza mesmo.
Beijos e muita energia positiva.

 
Menina, vc começou meio confusa mesmo :) hihihihi
mas mandou bem o seu recado, obrigada querida, vamos em frente fazer um a grande cordão pela paz e conscientização deste nosso povo ingênuo, mas não burro. bjs laura

 
Sinto mordidas no cérebro quando penso que são esses mesmos calhordas que fazem a lei de modo que não sejam punidos. Isso é que dá ser democrata.

 
Jasmine, é isso aí. A paz depende só de cada um. Paz e Amor.

 
Impressionante, não? Como pode uma pessoa que foi exposta como uma das maiores vergonhas nacionais, tenha essa tremenda cara-de-pau? Tomara que, como você, as pessoas se lembrem de seu nome e de seu "feito" e não cometam o erro de votar nele.

Abraços

 
Jasmine! Me propus a visitar todos os participantes da blogagem coletiva e chego aqui e vc. fala do waldemar... ! é muita cara de pau do sujeito, né não?! assumindo e "erro"... ah, então tá!
e outro que está atravessado na minha garganta é o renan calheiros. só falta ele dizer que não sabia a diferença entre denúncia e representação - no caso dos sanguessugas! facilitou a vida dos colegas.
ô corja, viu?!
bjs!!!
volto depois pra ler tudo com calma!

 
Obrigado pela visita.
Correta e perfeita em suas palavras.
Parabéns pelo ótimo texto.
Gostei do seu Blog.
Abraços

 
Oi Jasmine. Como vai? Adorei seu blog hawaiano. Bah, faz muito bem. Vc cuida do corpo e também da mente. ótimo seu texto... Sabe, eu sou totalmente desencantada com política. Isso me deixa triste e de mal-humor...

Abraços

 
Mas eu te digo uma coisa... se esse filho de uma égua ganhar, dou na cara de todo o povo brasileiro. pq não sei quem é pior ele ou quem ainda vota nele. Eses caras dveriam ter uma linda estrela preta na testa... já que a lei os permite uma candidatura....

 
Concordo com você. Se cada um fizer sua parte, a gente consegue mudar nossa realidade. Basta querer e abandonar o comodismo.

Beijos!!!

 
Querida,
Esqueci de contar que, tambem, comecei com o personal...
Estaremos todas da familia linda e malhadas no final do ano...
Que bom q vc esta levando a serio!
Bjos,
Tia Ina

 
Postar um comentário



<< Home
Recadinho de rodapé