domingo, julho 30, 2006

A onda do personal

Tenho uma prima que engravidou e ganhou, além de um lindo bebê, trocentos quilos. Para emagrecer contratou um personal das estrelas, que também cuida da alimentação e começou a perder muitos quilos e saudavelmente, em pouquíssimo tempo, com uma dieta rica em proteinas.
Eu não como carne vermelha, nem bebo leite e seus derivados. Mas como a dieta e os exercícios do sujeito são personalizados, resolvi contratá-lo também, para ficar totalmente em forma. Ok. Ele teve aqui em Aloha Neverland por dois dias. Ensinou a empregada a fazer comida, fez compras no supermercado e em lojas de suplementos ( de soja). Ensinou seu método especial a um personal local que deverá me acompanhar durante um mês para eu desempacar desse meu sedentarismo que é meio cíclico.
A idéia é uma dieta que sirva para a vida inteira e exercícios que tb sirvam para sempre. A idéia é finalmente a busca de uma qualidade de vida, física e mental.
Legal, vamos nessa. Como aqui resolvi que só entram as notícias boas, vou pular a parte do tamanho do ego do cara, do quanto de "extras" que ele me cobrou e não estava combinado. Enfim, da parte que foi chata.
O melhor de tudo é que ele ensinou a minha auxiliar a fazer sushi sem açúcar. Não sei se você sabe, mas sushi tem doses cavalares de açúcar no arroz. E mais algums receitinhas que ele jurou vai me enviar hoje por fax.
No mais, é agora me animar na academia. Dentro de alguns meses estarei espetacular-espero. E muito feliz da vida com os novos contornos do shape. A gente merece isso? Claro que sim. E nem se trata de vaidade. É necessidade. Quem se ama se cuida, já dizia o povo.

SOBRE O POST ANTERIOR A LAURA ( DO "LAURA VIVE") DISSE:
"é por causa dos virus da febre aftosa, eu já vi na Tv a respeito, aqui tbm fazem isto em carros, caminhões." ( por isso que pulverizam a gente quando estamos aterrizando na Argentina. Desfeito o mistério. Obrigada Laura. Beijos para você)


segunda-feira, julho 24, 2006

Buenos Aires via TAM

Cheguei ontem de Buenos Aires. Fui e voltei pela TAM. Falar de Buenos Aires é um capítulo a parte. Adoro aquela cidade, que apesar do que dizem dos argentinos parece ser bem mais civilizada do que qualquer das nossas cidades. Com um nivel cultural incomparável. Depois escrevo um pouco sobre isso. Hoje só queria dizer que a comidinha estava melhor nesse trajeto e que no final o comandante excluiu a tal pérola que fica mais ridícula ainda quando é ouvida do que quando é lida: "TAM, você nasceu para voar". Disse apenas "obrigado por escolher a TAM". Que com a falta da Varig não é bem uma escolha, mas quase uma obrigação. Ok, tudo bem. ( Pra mim que não trabalhava na Varig não é?) Só até hoje não entendi por que antes de aterrizar em solo argentino somos sempre pulverizados com um inseticida. Isso me aborrece e sempre esqueço de perguntar o por que da "higienização". Será que carregamos alguma praga? Quando souber, registrarei aqui.

sexta-feira, julho 14, 2006

Curitiba. E a TAM com sanduiche de mortadela

Férias!
Fui a Curitiba rever amigos de longa data. Bonita cidade, bem cuidada. Cheia de parques e museus. Como o Museu Oscar Niemeyer, que ficou conhecido como "Olho", por seu formato especial. Exposições de Cicero Dias e Ianelli. Bem montadas, muitos quadros, muitas fases. Coisa linda. Parece Europa. Aliás há anos atrás li que Curitiba era a "Genebra brasileira". Fui pra lá e não achei tudo isso. Agora sim, parece.

O Jardim Botânico está em muito melhor estado, verdejante. E continua com a exposição, agora permanente, do Krasberg, com bambús, troncos , cipós. Totalmente feita com coisas da natureza. Ainda assisti uma peça do Festival de Teatro que acontece há 15 anos e as pessoas prestigiam mesmo. Fiquei muito impressionada.

Mas fui e voltei de TAM. E o serviço está realmente chocante. Depois que o comandante Rolim morreu, a "empresa que tem orgulho de ser brasileira" ficou de moral baixa e tudo caiu. Mas não como agora. Com a falta da Varig, a nova direção além de provavelmente estar com dificuldade de atender a demanda, está sem nenhum medo da concorrencia. Portanto, ao invés de tapete vermelho, na volta, deixaram os passageiros num finger esperando a manutenção do avião( 1 hora atrazado) só para desocupar a sala de espera lotada. E serviram um sanduíche de mortadela! Dá para acreditar? Sinistro. Tam, tam, tam, tam.... o slogan até mudou: agora é "você nasceu para voar". Fala sério. A empresa é que nasceu para voar e não eu. E parece que deixou de ter orguho de ser brasileira. Também, quem nesse momento consegue ter?

domingo, julho 09, 2006

Mais que um casamemto

Ontem participei de uma das cerimônias de casamento mais bonitas que eu ja tinha visto. Uma amiga, colega de facudade, se casou na Igreja Luterana. Seu pai, o pastor, celebrou a união. Ela, musicista, ensaiou o coral, os solos e uma irquestra de sinos trabalhada por ela. Uma das poucas que existem no Brasil. Durante a cerimonia ela cantava baixinho e emocionada as músicas que seu alunos estavam executando. Todos os presentes eram amigos. Todos os padrinhos estavam ali unidos por laços de afetividade com os noivos. Nada de convidar padrinhos ricos para ganhar presentes caros, como se vê tanto por ai.
Minha amiga, a noiva tem 21 anos. É uma das melhores alunas da faculdade. Namora o seu agora marido há 5 anos. Numa dessas relações que dá gosto de ver que há somente amor e não neurose. ( Talvez eu esteja idealizando um pouco? Quem sabe? Mas na média, aquele quadro é muito feliz).
O irmão de 18 anos, da noiva foi buscá-la em casa, com o carrinho antigo do pai. Nada de limusines ou carros chiques com motorista de luvas. Todo o bufê, as lembrancinhas, tudo vezes tudo foi organizado pela minha amiga, pago com as economias dela- que trabalhou bastante para isso. Seus pais estão em dificuldades. Algumas delas inesperadas: sua mãe, funcionária aposentada da Varig. se aposentou anos passado, depois de 30 anos de serviços prestados como aeromoça internacional. Sua indenização não foi recebida até hoje. E seu salário foi reduzido a bem menos do que ganha uma empregada doméstica num bairro de zona Sul.
Minha amiga compreendeu que era hora de arregaçar as mangas se quisesse tudo perfeito, do jeito que ela gosta que as coisas sejam - e foram. E neste último mês ainda teve tem pode se preocupar com a situação financeira e o desgaste emocional do pai e da mãe.
Bom, desvirtuei um pouco de contar da festa, para contar seus bastidores. Mas me encantou ver a integridade dessa moça.Tem tanta gente de família rica e /ou ostentadora que os pais se desdobram em fzer tudo pelas filhas noivas e essas além de esperarem cair do céu ainda tem tempo de reclamar aqui e ali. Minha amiga é o oposto de tudo isso.
E a festa foi sim um sucesso, com muita comida gostosa, um som sensancional, muita dança, brincadeira, risada , buquê. Enfim. Desejo aqui MUITAS FELICIDADES PARA ELA E SEU MARIDO. SAIBAM QUE PODEM CONTAR COMIGO SEMPRE QUE PRECISAREM.
E parabéns tabém pelo exemplo, a muita menininha fora de prumo que tem por aí.

terça-feira, julho 04, 2006

Na dureza do bronze, a levesa das bailarinas de Degas

Já tive outro blog há tempos atrás. E ali, que era uma verdadeira festa, alguém me escreveu uma coisa muito coerente comigo mesma, sem me conhecer: disse que eu era como as bailarinas de Degas, por isso e por aquilo. Não é que eu seja como as bailarinas de Degas. Mas a única obra de arte que realmente me deu coceiras nas mãos para ter uma igual em casa- ops, não sou ladra de museu- hehe, foi aquela bailarininha que tem uma sainha de pano, que tem os bracinhos pra trás e tem as pernas fazendo a quarta posição de balé. Ela tem o rosto inclinado para cima. E é uma perfeição. Degas conseguiu imprimir no bronze toda a leveza de uma menininha durante uma aula de balé. É lindo esse contraste da levesa da obra com o material no qual ela é feita. É linda a atitude da menina, eternizada ali.

No MASP ( Museu de Arte de São Paulo, sim , aquele que outro dia cortaram a luz), existe uma das quatro maiores coleções dessas bailarinas, que há no mundo. No Museu Dórsay de Paris está outra dessas coleções. E no Louvre que eu tenha visto, tem pelo menos um das bailarinas, essa, a minha preferida.
Outro dia vi num blog, alguém sugerindo que deveríamos ser como turistas acidentais na cidade em que vivemos. Concordo demais com isso. Quem mora em São Paulo e gosta de artes, que corra então para o Masp. Monstrando que continua vivo, saudável e bem iluminado, está com uma bela exposição de Degas. Com as bailarinas, quadros do início de sua carreira quando imitava os outros para aprender, quadros de artistas que o influenciaram, bom quadros de muitas de suas fases. Então é uma exposição grande em todos os sentidos. É extensa.
Quem está acostumado a viajar sempre ou mora fora e quando vem aqui se espanta com as exposições minguadinhas de obras, vai gostar dessa. Por tudo. Eu, principalmente, pela bailarinha de sainha de pano.

sábado, julho 01, 2006

Bola pra frente

E o Brasil se desclassificou na Copa. Honestamente, para mim não tem a menor importância. Gosto de ver as equipes. Vibrei com o Zico tão japonês naquele jogo BrasilX Japão. Tá certo que ele deveria estar lutando por uma bolada de ienes que sempre são prometidos por mega-cartolas para resultados vencedores. Mas, também estava envolvido emocionalmente com seu time de olhinos puxados. E por que não? Isso mostra o quanto o mundo está mesmo globalizado. E que pátria é o nosso time, o nosso grupo, nossa tribo, seja lá em que país for. Portanto, nossos jogadores voltam para o Real Madrid, outros pro Barcelona, para o Milão, e os menos afortunados, para o Brasil mesmo. E a França vai em frente para ver se põe mais uma Copa no seu currículo. Difícil vai ser ganhar da Alemanha. Já viu a cara daquele técnico? Parece que a vitória é coisa de vida ou morte. Para que ser tão obcessivo? E será que é ou é só naquele momento? Todo atleta quer ganhar, se superar, mas todos tem embutido também a velha frase do "importante é competir". Acho que aí tem incluído um conceito de saúde, de excelência, de treino, de equipe, de expertise, de diciplina, e tudo isso somado é bem mais importante do que somente ganhar a competição. Por que é um ganha, ganha mesmo. Não há perdas nessa trajetória.
Para o país Brasil foi o melhor. Se nosso time ganhasse a Copa, ia haver aquela embriaguez carnavalesca até o final do ano. E as eleições? É preciso sobriedade para votar, principalmente nessas eleições.Temos errado sempre, escolhido sempre, sempre mal. Dessa vez estamos quase sem opções. É preciso um pensamento coletivo para quem sabe haver um milagre e se apresentar para nós um super candidato, a altura de resolver os problemas mais importantes do Brasil, as coisas que já estão cronicas. Por consecutivos incapazes, ladrões e vaidosos, cada uma sua maneira.
Dá para compartilhar então dessa vontade de surgir um milagre nas urnas. E ele só vai acontecer com muita consciencia da nossa parte. Eu não tenho candidato. Na verdade, votaria em Fernando Gabeira do Partido Verde. O cara mais consciente e consistente que vejo no momento. mas ele não é candidato. Quem sabe ainda será? Aloha.
Recadinho de rodapé